Tito 1:9 - Apegado à palavra fiel, a qual é segundo o ensinamento dos apóstolos, de modo que tenha poder tanto para exortar pelo ensinamento saudável como para convencer os que se opõem. (RV)

Siga para a seguinte seção neste artigo:

"Revisionismo Histórico" de quem?

Recentemente um artigo foi impresso em um periódico publicado por uma das igrejas e colocado na Internet no site da igreja acusando os cooperadores na restauração do Senhor de praticar "revisionismo histórico" em A Obra de Publicação da Restauração do Senhor. Essa acusação é basicamente uma repetição das alegações feitas pelo mesmo autor em "Analysis & Response", num artigo postado no mesmo site da igreja. Revisionismo histórico, no sentido que é usado nesses escritos, refere-se à manipulação dos fatos para apoiar uma posição ideológica predeterminada. Em linguagem moderna, a aplicação mais comum do termo se relaciona àqueles que negam o Holocausto, aqueles que declaram que o massacre dos judeus pelos nazistas nunca ocorreu. É, essencialmente, um eufemismo com o intuito de promover mentiras a fim de justificar sua própria pauta.

O autor desses escritos dissidentes afirma que os cooperadores negligenciaram intencionalmente a menção de certos fatos históricos que, se levados em conta, desmentiriam a comunhão entre tais cooperadores. Entre esses fatos estão 1:

De fato, quando lidas no contexto, as passagens das quais o autor extrai pequenas afirmações, na realidade apóiam a reafirmação dos cooperadores com respeito à comunhão do irmão Lee. O autor desses artigos retirou, seletivamente, citações do ministério do irmão Lee, em alguns casos citando parte de uma sentença e omitido a outra parte porque contradizia sua opinião. Na verdade, ele é quem pratica revisionismo histórico.

Em todo esse artigo, quando citarmos uma porção do ministério usada pelo autor dos artigos dissidentes, vamos colocar as afirmações em itálico de forma que fique claro o que foi omitido. Ao ler essas passagens lembre-se que o autor desses artigos dissidentes tenta justificar uma obra de publicação separada levada a cabo independentemente da comunhão global dos cooperadores. Essa obra de publicação separada dissemina os ensinamentos diferentes promovidos por um grupo de cooperadores a quem ele se uniu que publica seus escritos.

Hong Kong Book Room

O autor alega que a falta de menção da editora Hong Kong Book Room em A Obra de Publicação na Restauração do Senhor é uma distorção intencional do registro histórico. Ele alega que "alguém poderia argumentar que existiram duas editoras simultâneas na restauração, a Hong Kong Book Room e a Taiwan Gospel Book Room." Como justificativa ele cita parte de uma sentença da comunhão que o irmão Lee teve com os que serviam no escritório do Living Stream Ministry em 1987:

Em 1950, irmão Nee chegou a Hong Kong e queria que eu fosse vê-lo. Quando ele teve comunhão sobre a questão das publicações, ele usou a oportunidade para fazer alguns ajustes. Decidiu-se que o Gospel Book Room deveria permanecer um, devido à situação política, os negócios deveriam ser conduzidos separadamente em três lugares: Xangai, Taipei e Hong Kong. O irmão Nee era responsável pela editora em Xangai. Eu era responsável pela de Taipei e o irmão Weigh era responsável pela de Hong Kong. Contudo, o irmão Nee queria que eu também tivesse a responsabilidade pelas publicações da editora em Hong Kong. ( Words of Training for the New Way, Vol. 1, pp. 34-35) [ênfase adicionada]

Lendo no contexto é prontamente evidente que a separação da editora em três escritórios era um arranjo de negócios, mas as três ainda eram apenas uma na intenção do irmão Nee e na prática dos irmãos. O autor faz referência a essa passagem dizendo: "É claro, alguém pode afirmar que as três editoras são 'uma'." Isso é malicioso. Por que o autor coloca "alguém" em uma citação assinalada, mas não indica de quem é a citação? Por que ele diz "alguém pode argumentar" quando esse foi o plano e a instrução direta do irmão Nee? Por que ele começa com uma sentença pela metade e não inclui o pensamento completo do irmão Lee: "Decidiu-se que o Gospel Book Room deveria permanecer um, todavia devido à situação política, os negócios deveriam ser conduzidos separadamente em três lugares: Xangai, Taipei e Hong Kong"? Até mesmo a omissão das palavras "os negócios teriam de ser conduzidos" parece ser calculada para obscurecer a intenção da comunhão do irmão Nee. Isso não é um tratamento honesto para com o ministério do nosso irmão.

Em 1994, o irmão Lee explicou também:

Em 1950, quando nós dois estávamos em Hong Kong, tivemos bastante tempo para conversar. Por ter percebido que mais tarde poderia não ser mais possível contatar o irmão Nee, levei a ele a necessidade de publicar em Taiwan. Ele disse: "Irmão Witness, você sabe que entre nós somente eu pessoalmente possuo o Gospel Book Room. Ela não pertence à igreja nem aos cooperadores; pertence a mim, pessoalmente." Então ele fez arranjos, dizendo: "Agora, as três regiões políticas - o continente, Hong Kong e Taiwan - todas diferem uma da outra. Então teremos a editora Gospel Book Room dividida em três: uma em Xangai, uma em Taiwan e outra em Hong Kong. Elas não são três editoras, elas são apenas uma. Devido à situação política, os três lugares deverão ter seu próprio suporte financeiro." Ele era responsável por Xangai; ele me confiou a responsabilidade por Taiwan; e pediu ao irmão K. H. Weigh para tomar o encargo por Hong Kong. Além disso, ele me deu um encargo, dizendo: "Irmão Weigh também precisa da sua ajuda para levar a cabo a responsabilidade pelos artigos." Portanto, no período inicial, o Taiwan Gospel Book Room publicou principalmente livros em coordenação com a editora de Hong Kong. As duas publicavam livros juntas, não separadamente. Os custos dos livros publicados em Hong Kong e Taiwan eram calculados juntos. Devido a tal arranjo feito pelo irmão Nee é que temos essa situação hoje. ( The High Peak of the Vision and the Reality of the Body of Christ, pp. 24-25) [ênfase adicionada]

Não seria mais honesto indicar que aquilo que o irmão Nee e irmão Lee queriam dizer no que falaram era que as três editoras seriam uma, ao invés de rejeitar isso como algo que "alguém poderia argumentar"? O escritor tenta reduzir a palavra clara do irmão Nee repetida em mais de uma ocasião pelo irmão Lee, para uma simples visão de "alguém poderia argumentar" a fim de justificar sua própria explicação sem olhar para os fatos históricos. Em 1973, o irmão Lee deixou claro que o propósito das três editoras era publicar os livros do irmão Nee para as necessidades das igrejas:

Ele também fez um arranjo para a obra de publicação. As publicações estariam sempre sob sua supervisão. Quando estávamos em Hong Kong, ele decidiu que haveria a editora em Taipei e Hong Kong para publicar todos os seus livros. Ele mesmo deveria supervisionar a editora em Xangai. Ele encarregou-me de cuidar da editora em Taipei e definiu que o irmão K. H. Weigh se encarregasse da editora em Hong Kong. Ele disse que todos os livros poderiam ser reimpressos e que as três editoras deveriam ter os mesmos direitos autorais. Então começamos a reimprimir todos os seus livros para a necessidade em todos os locais fora da China continental. ( The History of the Church and of the Local Churches, p. 140) [ênfase adicionada]

Um relato similar pode ser encontrado na biografia do irmão Watchman Nee feita pelo irmão Lee:

Ele então tomou as seguintes providências quanto à editora e à obra de literatura:

1) A editora deveria ser estabelecida em três lugares: Xangai, Taipei e Hong Kong. Watchman administrava pessoalmente a de Xangai, eu seria o responsável pela de Taipei e o irmão Weigh pela de Hong Kong. Além disso, fui solicitado a assessorar a editora em Hong Kong quanto à responsabilidade literária e editorial.

2) As três editoras compartilhariam os mesmo direitos autorais.

(Em 1975, o irmão K. H. Weigh e eu, juntamente com outros irmãos afins, redistribuímos, em razão da situação da época, a questão dos direitos autorais, da seguinte maneira: Todos os livros em chinês seriam publicados pela editora em Taipei; todos os livros em inglês seriam publicados pelo Living Stream, nos Estados Unidos; a editora Hong Kong seria usada apenas para a distribuição de nossas publicações em Hong Kong.) ( Biografia de Watchman Nee, p. 380) [ênfase adicionada]

Então as três editoras se formaram para reimprimir o ministério do irmão Nee, e todas laboraram em coordenação para levar a cabo este trabalho. O que foi relatado em A Obra de Publicação na Restauração do Senhor nunca pretendeu ser uma história exaustiva de arranjos administrativos na única obra de publicação na restauração do Senhor. Também temos escritórios do Living Stream Ministry em Irving, Texas e em Londres, Inglaterra. Eles não foram mencionados antes. Todavia, toda a história da obra de publicação na restauração do Senhor apóia a afirmação dos cooperadores sobre a comunhão do irmão Lee que todos nós devemos ser restritos a uma única publicação para levar a cabo o ministério na restauração do Senhor. Não há justificativa na história do mover do Senhor entre nós para obras separadas de publicação, e não há certamente nenhuma justificativa para usar diferentes obras de publicação visando propagar ensinamentos diferentes e opiniões dissidentes entre as igrejas e os santos.

O que Cremos e Praticamos nas Igrejas Locais

O autor desses escritos dissidentes considera muito o fato de que a obra de publicação não é tratada em O que Cremos e Praticamos nas Igrejas Locais. Tal argumento ignora dois pontos básicos:

  1. O que Cremos e Praticamos não é um documento exaustivo com respeito a tudo o que cremos e praticamos na restauração do Senhor. No seu próprio prefácio está:

    Por causa do número crescente de pessoas, tanto cristãos como incrédulos, que procuram informações sobre as igrejas locais, preparamos este livrete como uma introdução básica para as nossas crenças e práticas. ( O que Cremos e Praticamos nas Igrejas Locais, p. 1) [ênfase adicionada]

    O que Cremos e Praticamos foi preparado como uma "introdução básica" para as igrejas visando àqueles que não estão na restauração do Senhor, e não como um manual definitivo e abrangente da restauração do Senhor.

  2. O alcance de O que Cremos e Praticamos é as igrejas locais, não o ministério ou a obra. A palavra "ministério" é usada somente uma vez nesse livrete e isso de uma maneira geral. O livrete não é dirigido de uma maneira substantiva como o ministério é levado a cabo na restauração do Senhor. Por essa razão não deveria se esperar que o assunto de estar restrito a uma só publicação no ministério deveria ser achado em suas páginas. Ainda assim o autor toma a ausência desse tópico na introdução do livreto como um pretexto para promover e levar a cabo diferentes obras de publicação.

Conferência de Escritores

Um dos mais chocantes exemplos de citação seletiva do ministério do irmão Lee feito pelo autor é o seu uso de parte de uma sentença da comunhão do irmão Lee com os presbíteros em 1986. A metade da sentença citada diz, "A minha intenção em convocar uma conferência de escritores foi para encorajá-los a escrever algo..." O que o autor omitiu é muito revelador.

A minha intenção em convocar uma conferência de escritores foi para encorajá-los a escrever algo, mas não da forma que tem saído. Essa comunhão pode preservar-nos e proteger-nos de fazer coisas desregradamente. ( Treinamento de Presbíteros, Volume 8: A Vitalidade do Mover Atual do Senhor, p. 201) [ênfase adicionada]

O que foi "essa comunhão"? Foi "Ser Restrito a Uma Única Publicação", o subtítulo da seção na qual a metade da sentença usada pelo autor foi encontrada. Sim, o irmão Lee convocou uma conferência de escritores. Baseado no qual subseqüentemente foi divulgado, ele apresentou a necessidade de ser restrito em uma única publicação para evitar um comportamento "desregrado", comportamento esse que é o mesmo em todas as considerações essenciais como o que o autor desses artigos está advogando e praticado.

O autor dissidente tenta vindicar seu comportamento ilegal pela citação de metade de uma sentença de uma passagem que condena sua atividade! É também digno de nota que a seção inteira na qual essa citação aparece foi reproduzida nas páginas 10 a 12 de A Obra de Publicação na Restauração do Senhor, onde os leitores podem avaliar o seu significado no contexto.

Journey Through the Bible

Em um dos seus artigos circulados através da Internet o autor também cita Journey Through the Bible como um exemplo de publicação diferente. Aqui as seguintes observações são relevantes:

  1. Journey Through the Bible iniciou-se sob a direção do irmão Lee e era levado a cabo em coordenação e comunhão com ele.
  2. Journey Through the Bible desenvolveu-se para os jovens da igreja em Anaheim. Por fim, devido ao interesse de outras igrejas, foi levado como um "experimento" pela obra para os jovens no sul da Califórnia em comunhão com o LSM com a intenção de que, quando a série estivesse completa, seria transferido para o LSM. Nunca teve como alvo a mesma audiência e, além disso, nunca houve competição ou rivalidade com o ministério geral nas igrejas na restauração do Senhor. Journey Through the Bible não tem pretensão de ter nenhum tipo de cargo líder no ministério ou na definição da verdade.

Conclusão

O autor desses artigos dissidentes tem uma instrução acadêmica. Como tal, ele sabe que uma citação seletiva de uma fonte é uma prática desonesta contrária à ética da sua profissão, sem mencionar que é inescrupuloso para um crente e incompatível com o sincero desejo da verdade. Empregando fora do contexto as afirmações do irmão Lee e fazendo delas o contrário daquilo a que foram intencionadas, ele mostra quem é que está tentando distorcer o nosso legado na restauração do Senhor para justificar seus próprios fins. Ele ignora os fatos reais nos casos que menciona. Não obstante, ele optou por fazer insinuações contra os cooperadores e levantar questões no coração e na mente dos amados santos na restauração do Senhor. Sua apresentação dos fatos é altamente seletiva e tendenciosa. Permanece o fato que não há nada nos ensinamentos e práticas de Watchman Nee e Witness Lee ou na história das igrejas na restauração do Senhor para justificar o comportamento rebelde defendido e praticado pelo autor desses artigos. De fato, não há base na qual se justifica a promulgação de ensinamentos diferentes e opiniões dissidentes através de publicações independentes na restauração do Senhor.

Notas:

1A questão de ser restrito a uma única publicação sendo meramente uma "prática pessoal, informal e voluntária" entre o irmão Nee e irmão Lee é tratada em um artigo separado, o qual inclui a discussão do precedente histórico para "uma única publicação" através da nossa história.

© 2006-2018 DCP. Todos os direitos reservados.
O DCP é um projeto que visa defender e confirmar o ministério neotestamentário de Watchman Nee e Witness Lee, e a prática das igrejas locais.
email