Tito 1:9 - Apegado à palavra fiel, a qual é segundo o ensinamento dos apóstolos, de modo que tenha poder tanto para exortar pelo ensinamento saudável como para convencer os que se opõem. (RV)

Siga para a seguinte seção neste artigo:

"Uma Prática Pessoal, Informal, Voluntária"?

"Analysis & Response" pergunta: "Por que uma prática pessoal, informal e voluntária entre os cooperadores (irmão Lee e irmão Nee) se torna um ensinamento que é agora uma política pública imposta sobre os santos e sobre as igrejas locais?" As reivindicações implícitas nessa questão erram em pelo menos quatro pontos:

  1. Essa questão deturpa o falar claro do irmão Lee com respeito a ser limitado a uma única obra de publicação como " uma prática pessoal, informal, voluntária".
  2. É um erro referir-se à prática comum de toda história da Restauração do Senhor entre nós como uma mera prática pessoal entre dois cooperadores.
  3. Uma falsa distinção é criada entre o ensinamento do irmão Lee e sua prática de levar a cabo o ministério.
  4. Deturpa A Obra de Publicação na Restauração do Senhor chamando-a de uma " política pública, uma imposição sobre os santos e as igrejas locais".

1. Apenas uma Prática Pessoal, Informal e Voluntária?

"Analysis & Response" descarta a comunhão do irmão Lee com respeito a ser restrito a uma única obra de publicação no ministério do Senhor como sendo somente "uma prática pessoal, informal e voluntária entre os cooperadores." Tal adulteração tenta negar o falar do irmão Lee sobre o perigo e a tendência em direção à divisão causada por certos irmãos que levam a cabo sua própria obra dentro da única obra na restauração do Senhor. Ninguém pode ler as mensagens das séries de treinamentos urgentes de presbíteros iniciadas pelo irmão Lee em 1984 sem perceber a profundidade do seu encargo nesse assunto, tanto com vistas a preservar os santos e as igrejas na unidade como para livrar alguns cooperadores proeminentes de se tornarem fatores de divisão. A primeira mensagem foi intitulada "A Unidade do Ministério de Deus e o Perigo que Ela Corre". Isso nos mostra que os ministérios diferentes são a origem de todas as divisões no cristianismo de hoje e adverte para o perigo de ministérios diferentes na restauração do Senhor:

Tenho o encargo de enfatizar esse ponto da unidade do ministério por causa de todas as divisões e confusões ocorridas entre os cristãos nos séculos passados. O que há de mais destruidor entre os cristãos são as divisões e confusões. Além do mais, todas elas vieram de uma só fonte: ministérios diferentes. ( Treinamento de Presbíteros, Volume 1: O Ministério do Novo Testamento, p. 15)

Precisamos ver esse princípio no decorrer de toda a era cristã. Todos os problemas, divisões e confusões vieram da tolerância aos ministérios diferentes. Muitos mestres cristãos conheceram o perigo desses ministérios; contudo, os toleraram. Tem havido tolerância a ministérios diferentes. Não devemos crer que, na restauração do Senhor, a longo prazo, eles nunca mais penetrarão sorrateiramente. Pelo contrário, devemos estar alertas. Tal perigo está à nossa frente. Se não formos vigilantes, se formos descuidados, de um modo ou de outro o inimigo usará sorrateiramente alguns meios ou maneiras de introduzir ministérios diferentes. Tal acontecimento terminaria com a restauração do Senhor. ( Treinamento de Presbíteros, Volume 1: O Ministério do Novo Testamento, p. 20)

Naqueles dias a comunhão do nosso irmão estava repleta de preocupação quanto ao futuro da restauração do Senhor e o futuro daqueles que participam no ministério da Palavra. "Analysis & Response" é caracterizado por uma grosseira desconsideração pela advertência de nosso irmão quanto aos perigos para a restauração do Senhor promovidos por ministérios diferentes. Na segunda mensagem daqueles treinamentos, "Lições sobre a Unidade do Ministério", o irmão Lee observou que muitas pessoas talentosas tinham entrado e então deixado a restauração do Senhor durante os seus muitos anos de ministério. Ele testificou que ele tinha sido preservado na restauração por causa da sua unidade leal com o irmão Nee e seu ministério:

Deixe-me testificar um pouco da minha experiência com o irmão Watchman Nee. Trabalhei com ele por mais de dezoito anos. Há alguns entre nós que estavam lá naquela época e viram a situação. Desde o começo da obra do irmão Nee, muitos cristãos proeminentes, que mais tarde tornaram-se pregadores famosos, estiveram por algum tempo com ele. A primeira reunião do partir do pão na restauração do Senhor ocorreu com o irmão Nee, outro irmão e a esposa desse irmão. Foram esses três que iniciaram as reuniões de partir o pão na restauração do Senhor. Por fim, aquele irmão tornou-se um problema para o irmão Nee, porque não era um com ele no mover de Deus naquela época na China. A partir daquela ocasião, entraram diversos irmãos proeminentes, um após o outro. Quase todos tornaram-se "problemas" para o irmão Nee. Se eu tivesse tido a mesma atitude que os outros, com certeza também teria me tornado um problema para ele. Contudo, todos percebiam que eu era mil por cento um com ele em seu ministério, porque minha posição, atitude e espírito eram totalmente um com ele. Não foi deixada nenhuma brecha para alguém dizer que eu era um problema para o irmão Nee. Não havia base para tal acusação.

Se alguém chegar a perguntar-lhe se você é um comigo ou não, essa pergunta é uma indicação de que você não é cem por cento um comigo. Se, quando chove, a água vaza pelo teto, isso significa que há rachadura no telhado. Se não houver rachadura, a água não vai entrar. Se vocês forem cem por cento um comigo, seremos como um telhado sem rachadura. Quando chove, a água testa e prova se há ou não rachaduras no telhado. Goteira é a prova de rachadura. ( Treinamento de Presbíteros, Volume 1: O Ministério do Novo Testamento, pp. 32-33)

Além disso, o irmão Lee falou do cuidado que ele exercitava para evitar causar qualquer problema ao ministério do irmão Nee para a restauração do Senhor de uma maneira geral.

Quando estava com o irmão Watchman Nee, nunca me comportei, agi, trabalhei, preguei, ensinei ou falei de alguma maneira que pudesse ser tomada pelo inimigo a fim de criar problemas. ( Treinamento de Presbíteros, Volume 1: O Ministério do Novo Testamento, p. 36)

Não tenho interesse em fazer uma obra leviana segundo as práticas religiosas de hoje. Consagrei a mim mesmo e o meu futuro para o único propósito de Deus na terra. Vi esse propósito no irmão Nee, fui por esse propósito, e sacrifiquei tudo por isso. Portanto, eu não diria uma só palavra [contradizendo o ministério do irmão Nee] e nada faria para danificar esse propósito. ( Treinamento de Presbíteros, Volume 1: O Ministério do Novo Testamento, pp. 38-39)

Sempre percebi que é muito grave afetar, ainda que um pouquinho só, a restauração do Senhor, quanto mais danificá-la. ( Treinamento de Presbíteros, Volume 1: O Ministério do Novo Testamento, p. 39)

A palavra do irmão Lee com respeito a ter uma única obra de publicação na restauração do Senhor precisa ser entendida na luz da sua luta para manter a unidade da restauração do Senhor. Baseado nesse encargo ele fez um forte apelo aos presbíteros e cooperadores em fevereiro de 1986 para que abandonassem as diferentes obras de publicação.

RESTRINGIDOS A UMA SÓ PUBLICAÇÃO

Uma coisa que tem causado problemas à restauração do Senhor é o fato de termos diferentes publicações. Se quisermos levar a sério a restauração, precisamos evitar qualquer envolvimento em problemas. Quando estávamos na China continental, somente o irmão Nee tinha uma publicação, e a editora pertencia única e exclusivamente a ele. Ele me pediu que ajudasse na obra de publicação. Eu escrevi alguns livros, um dos quais era sobre a genealogia de Cristo, uma tradução de parte do livro de Pember: As Eras Mais Primitivas da Terra e alguns livros sobre o reino dos céus. Nunca publiquei nada por iniciativa própria. Sempre encaminhava meu manuscrito à editora, que estava sob os cuidados do irmão Nee e seu auxiliar. Dependia do seu discernimento se o meu manuscrito devia ou não ser publicado. Eu gostava que meus escritos fossem conferidos para ver se continha alguma inexatidão na verdade. Escrever um livro que expõe o reino dos céus é um grande projeto. Gostava que meu material passasse pela verificação dele. Isso me ajudou e protegeu. O irmão Yu, que era oftalmologista, traduziu alguns dos livros místicos, mas não publicou nada. Tínhamos apenas uma publicação. Tudo era publicado por meio da editora do irmão Nee, porque uma publicação realmente corresponde a tocar a trombeta. O som de nossa trombeta não está simplesmente na forma de mensagem verbal, mas muito mais na forma de publicação. ( Treinamento de Presbíteros, Volume 8: A Vitalidade do Mover Atual do Senhor, pp. 199-200; citado na página 11 de A Obra de Publicação na Restauração do Senhor)

2. Uma Prática Comum em Toda a nossa História

"Analysis & Response" também falha em interpretar incorretamente a prática de ser restringido em uma única obra de publicação como sendo somente praticada por dois obreiros—irmão Lee e irmão Nee. Na realidade, tem sido uma prática comum dos cooperadores e das igrejas na China, Taiwan, Estados Unidos e pela maior parte da terra em todo esse tempo em que a restauração do Senhor está entre nós.

"Analysis & Response" afirma que Watchman Nee nunca ensinou o assunto de estar restringido em uma obra de publicação. Naturalmente e na maioria das vezes, um ensinamento é necessário somente quando há um desvio do padrão, então não deveria ser uma surpresa não encontrar nenhum ensinamento específico com respeito a uma única publicação, visto que era uma prática comum das igrejas e daqueles que serviam naquele tempo. O que é incontestável é que o irmão Nee e os seus cooperadores consistentemente referiam-se à "obra de publicação" e "obra de literatura" no singular e praticavam em conformidade com isso. 1Além disso, em 1948 no treinamento no Monte Kuling, o irmão Nee afirmou claramente que o trabalho da literatura, como uma parte única e especifica da obra, seria levado a cabo em Xangai, isto é, pelo Gospel Bookroom sob sua supervisão ali. 1 Além disso, em 1948 no treinamento no Monte Kuling, o irmão Nee afirmou claramente que o trabalho da literatura, como uma parte única e especifica da obra, seria levado a cabo em Xangai, isto é, pelo Gospel Bookroom sob sua supervisão ali.

A obra de literatura: A obra de literatura, como a publicação de livros e periódicos é considerado uma unidade separada da obra. Tais trabalhos são tratados em Xangai. ( The Collected Works of Watchman Nee, vol. 60, p. 362)

O testemunho do irmão Lee concernente à prática deles confirma que havia uma única obra de publicação sendo levada a cabo e que estava sob a supervisão de Watchman Nee.

Quando estávamos na China continental, apenas o irmão Nee tinha uma publicação e a Editora pertencia única e exclusivamente a ele. ( Treinamento de Presbíteros, Volume 8: A Vitalidade do Mover Atual do Senhor, p. 199)

A restauração do Senhor foi levantada na China através dos ensinamentos do irmão Nee por exatos trinta anos, de 1922 até 1952. Nesses trinta anos não havia ninguém mais que publicasse o ensinamento do Novo Testamento. [ênfase adicionada] ( The Practice of the Church Life According to the God-Ordained Way, p. 34)

Antes de 1952, toda obra de literatura era feito pelo irmão Nee. ( The Glorious Vision and the Way of the Cross, p. 28)

Nos anos oitenta quando o irmão Lee falou concernente a ser restringido a uma só publicação, ele estava meramente reiterando o que já havia sido praticado pelo ministério por meio da obra de literatura na restauração do Senhor. Depois do falecimento do irmão Lee em 1997, os cooperadores reafirmaram sua intenção de que o Living Stream Ministry continuaria a publicar o ministério de Watchman Nee e Witness Lee para liderar e nutrir todas as igrejas. A declaração em A Obra de Publicação na Restauração do Senhor é meramente uma afirmação adicional dos cooperadores em todo o mundo de que eles desejam continuar nos mesmos passos que havia trazido incontáveis bênçãos para a restauração do Senhor. Na verdade, "Analysis & Response" tem questionado o passado, e não há precedentes no ensino ou na prática na restauração do Senhor entre nós para essa promoção contenciosa de múltiplas obras de publicação no ministério da restauração do Senhor.

3. Uma Falsa Distinção

"Analysis & Response" alega que os cooperadores usaram o testemunho do irmão Lee como base para formular um novo "ensinamento". Essa reivindicação não somente nega o ensinamento, comunhão e direção do irmão Lee de ter uma única publicação na restauração do Senhor, mas também cria uma falsa distinção entre o ensinamento do irmão Lee e sua prática ao levar a cabo o ministério. É inegável que por todo o Novo Testamento, o Senhor nos ensina não somente pela palavra direta, mas também por apresentar-nos padrões que possamos seguir. (1Co 4:16; 11:1; Fp 3:17; 1Ts 1:6; 2Ts 3:9; 1Tm 4:12; 2Tm 3:10, 14; Tt 2:7; 1Pe 5:3).

1Co 4:16 - Admoesto-vos, portanto, a que sejais meus imitadores.

1Co 11:1 - Sede 2meus imitadores, como também eu sou de Cristo.

nota de rodapé 11:1 2 - Se alguém é imitador de Cristo, deveríamos ser imitadores dele. Isso nos faz imitadores de Cristo. Caso contrário, não devemos ser imitadores de nenhum homem.

Fp 3:17 - Irmãos, sede imitadores meus e observai os que andam segundo o modelo que tendes em nós.

1Ts 1:6 - Com efeito, vos tornastes 1imitadores nossos e do Senhor, tendo recebido a palavra, posto que em meio de muita tribulação, com alegria do Espírito Santo.

nota de rodapé 1:6 1 - Uma vez que os pregadores eram o padrão do evangelho, os crentes tornaram-se imitadores deles. Isso, então, direcionava os crentes a seguirem o Senhor, tomando-O como o padrão deles (Mt 11:29).

2Ts 3:9 - Não porque não tivéssemos esse direito, mas por termos em vista oferecer-vos exemplo em nós mesmos, para nos imitardes.

1Tm 4:12 - Ninguém despreze a tua mocidade; pelo contrário, torna-te padrão dos fiéis, na palavra, no procedimento, no amor, na fé, na pureza.

2Tm 3:10 - Tu, porém, tens seguido, de perto, o meu ensino, procedimento, propósito, fé, longanimidade, amor, perseverança.

2Tm 3:14 - Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste e de que foste inteirado, sabendo de quem o aprendeste.

Tt 2:7 - Torna-te, pessoalmente, padrão de boas obras. No ensino, mostra integridade, reverência.

1Pe 5:3 - Nem como dominadores dos que vos foram confiados, antes, tornando-vos modelos do rebanho.

De acordo com o Novo Testamento, o Senhor levanta alguns que são capazes não apenas de ministrar a Palavra, mas também são padrões de conduta, particularmente em relação a questões cruciais da igreja, do ministério e da obra. A expectativa deles é que os crentes nutridos e edificados por meio do ministério sejam seus imitadores e sigam os mesmos passos daqueles por meio dos quais Sua revelação chega à igreja.

Fazer Apenas a Obra da Restauração do Senhor

Qualquer um hoje que tenha a visão está ciente, de imediato, de que nem o irmão Nee nem eu levamos a cabo a nossa obra pessoal; nossa obra é a obra da restauração do Senhor para a edificação do Corpo de Cristo. Eu digo isso com a esperança que vocês sejam influenciados por mim. Eu fui grandemente influenciado pelo irmão Nee, e espero que vocês também sejam influenciados por ele. ( The Governing and Controlling Vision in the Bible, p. 32)

O testemunho do irmão Lee concernente a sua percepção da singularidade do fluir divino no ministério do Senhor e como ele desistiu do seu próprio ministério no norte da China para juntar-se ao ministério do irmão Nee, estabelece um padrão para seguirmos. Seu propósito em falar essas coisas não pode ser interpretado de outra forma. Ele falou isso na mensagem do "The Divine Stream" [O Fluir Divino], o qual apareceu como primeiro artigo na edição de primeiro de junho de 1963 da revista Stream, a primeira publicação expedida por seu ministério neste país.

Se ler Atos e as epístolas escritas pelo apóstolo Paulo, você verá que, naquele tempo, um grande número de pessoas que pregavam o evangelho e trabalhavam para o Senhor não estavam no fluir. De acordo com o registro das Escrituras, eles não estavam no fluir. Por exemplo, no primeiro capítulo de Filipenses o apóstolo nos diz que havia alguns que pregavam Evangelho por inveja. Eles estavam pregando o evangelho, mas não estavam trabalhando junto com o apóstolo. Embora pregassem o evangelho, eles não estavam no único fluir do Espírito Santo. No livro de Atos você pode encontrar outro exemplo. Considere Barnabé. No começo Barnabé laborava com o apóstolo Paulo. Ambos estavam em um só fluir. Mas depois de certo tempo, Barnabé por alguma razão não concordava com o apóstolo Paulo. Os dois estavam divididos. Depois dessa divisão você ainda encontra em Atos algum registro de Barnabé? Não! Ele estava fora do fluir. Ele ainda laborava para o Senhor, mas estava fora do fluir. Você tem clareza sobre esse assunto? Se estudar cuidadosamente a história da igreja, descobrirá que através de todas as gerações e em todo o tempo havia somente um fluir do Espírito Santo. Muitos têm trabalhado para o Senhor, mas nem todos tem estado no fluir da única corrente. Se quiser aceitar a misericórdia e graça do Senhor, você será trazido para dentro de uma só corrente que está fluindo hoje.

Nesse ponto eu gostaria de dar um testemunho pessoal sobre essa questão. Em 1933 fui pela primeira vez do norte da China para Xangai a fim de visitar o irmão Watchman Nee. Fiquei com ele durante alguns meses. Quando estava para voltar para a minha cidade no norte da China, o irmão Nee veio para mim e disse: "Irmão Lee, sentimos que está na mente do Senhor que você se mude com a sua família para Xangai e fique conosco para a obra do Senhor. Você gostaria de levar essa questão ao Senhor?" Quando fui ao Senhor com essa questão, recebi luz. O Senhor me mostrou que no livro de Atos a corrente da obra do Senhor, o fluir do Espírito Santo, é um. Ele me mostrou que no livro de Atos havia somente uma linha no mapa, começando em Jerusalém e indo para Antioquia, de lá para Ásia e de lá para a Europa. Eu vi que nunca houve dois fluíres, mas somente um. Disse para o Senhor: "Senhor, Te agradeço. Não pode haver dois fluíres na Tua obra na China. Se algo precisa ser feito para Ti, por Ti ou por meio de Ti no Norte da China, é necessário que primeiro eu vá para Xangai para ser mesclado em um só fluir, a fim de que de lá alguma coisa flua para o norte da China. Então haverá somente um fluir." Neste mesmo dia o irmão Nee veio para me ver. Eu disse a ele: "Irmão Nee, tenho clareza quanto a esta questão. Devo fazer o que você sugeriu." Desde aquele dia estou trabalhando com ele em Xangai. ( The Divine Stream, pp. 13-15)

Ele repetiu essa comunhão em 1973 em Los Angeles nas mensagens que se tornaram o livro The History of the Church and the Local Churches.

Em 1934, depois de ter estado em Xangai por quase quatro meses, o irmão Nee me disse: "Witness, nós, os cooperadores sentimos, que você deve trazer sua família para Xangai para que possamos trabalhar juntos. Leve essa questão ao Senhor; e veja como o Senhor vai direcioná-lo." Eu ouvi sua palavra e levei essa questão ao Senhor. Então vi que no livro de Atos há um só fluir, uma só corrente. Essa corrente começava no trono da graça e seguia para Jerusalém. De Jerusalém esse fluir prosseguia para Samaria e então para Antioquia. De Antioquia seguia na direção oeste para a Ásia Menor e para a Europa. O livro de Atos nos mostra que há uma única corrente no mover do Senhor na terra. Não há registro de qualquer outra obra que esteja fora dessa corrente. Quando Barnabé se separou de Paulo (At 15:39-41), não houve mais registro de sua obra em Atos. Depois desse incidente, ele não aparece mais na narração divina de Atos do mover do Senhor na economia neotestamentária de Deus.

O Senhor me impressionou que a corrente, o fluir da obra do Senhor na China deveria ser um. Se o Senhor estava para fazer alguma coisa no norte, eu deveria me jogar dentro desse fluir no sul em Xangai. Então finalmente o fluir prosseguiria ao norte da China. Com base nessa revelação, eu tomei a decisão de ir para Xangai a fim de trabalhar com o irmão Nee. ( The History of the Church and the Local Churches, p. 136)

Ele repetiu isso novamente em sua mensagem "Nenhum Som Incerto da Trombeta no Ministério do Senhor" em fevereiro de 1986 no treinamento de anciãos.

Barnabé foi um excelente irmão, que na verdade introduziu Saulo de Tarso no ministério (At 11:25-26). No início, ele assumiu a liderança. Em sua primeira jornada, entretanto, o Espírito registra que Paulo começou a assumir a liderança e o Espírito começou a referir-se a Saulo como Paulo (At 13:9). A mudança de nome pode indicar a mudança de vida. Desse ponto em diante, Paulo, cheio do Espírito Santo, assumiu a liderança do ministério apostólico de todas as maneiras, e Barnabé aceitou isso. Barnabé era um com Paulo quando foram a Jerusalém à procura da solução do problema da circuncisão. Logo depois que a solução foi definida como decreto para todas as igrejas, houve contenda entre Barnabé e Saulo (At 15:35-39). Essa contenda não foi sobre algo de grande importância, mas sobre algo insignificante. Eles não se separaram por causa de opiniões diferentes sobre a fé ou o encabeçamento de Cristo. Foi uma separação por coisa pequena, pessoal e íntima. Barnabé queria levar seu primo Marcos junto com ele na viagem e Paulo disse não. Para nós, isso é pouco importante, mas depois que Barnabé junto com Marcos deixou Paulo, não há mais registro dele no mover do Senhor no livro de Atos. O motivo disso é que o Senhor se importava apenas com um único fluir.

Vi isso claramente em 1933, quando o irmão Nee pediu-me que me juntasse a ele na obra em Xangai. Naquela época, eu estava fazendo uma obra no norte da China que era bem prevalecente e até promissora para mim no ensino da Bíblia. Porquanto meus olhos foram abertos, disse ao Senhor que iria a Xangai para me juntar ao irmão Nee e à obra. Percebi que o fluir do Senhor, a Sua corrente na terra, tinha sido somente uma. Se o norte da China tivesse de ser tomado pelo Senhor, Ele com certeza faria isso por meio do mesmo fluir. Eu tinha de mergulhar nessa corrente e ser um com ela para permitir que o Senhor fluísse. ( Treinamento de Presbíteros, Volume 7: Unanimidade para o Mover do Senhor, pp. 98-99)

Alguém pode considerar: Por que o irmão Lee falou dessa maneira? Foi correto relacionar sua "prática pessoal" sem esperança ou expectativa que os irmãos seguiriam o seu exemplo? O autor de "Analysis & Response" pode, com seriedade, fazer tal reivindicação? Ou o irmão Lee estava apresentando a si mesmo como um padrão a ser seguido, no mesmo princípio que Paulo praticou com os tessalonincesses?

Alguns mestres cristãos dizem que um crente não deve dar testemunho de si mesmo. Segundo esses mestres, testificar de nossa experiência é pregar a nós mesmos. Portanto eles aconselham os outros a não falarem de como se arrependeram, creram no Senhor, receberam a graça e foram salvos. Esses mestres insistem fortemente que devemos pregar apenas o Senhor Jesus e ensinar a Bíblia, mas nunca devemos dizer algo sobre nós mesmos. Em 1 Tessalonicenses 2, contudo, Paulo certamente falou de si mesmo. Ele deu um forte testemunho de seu viver entre os tessalonicenses. Ele os relembrou da estada dos apóstolos e de seu modo de viver entre eles. Por que Paulo enfatizou isso? Porque ele estava apresentando um modelo de um viver adequado aos jovens santos. Espero que todos os presbíteros e líderes vejam o exemplo de Paulo de que devemos ser um modelo para os santos. Em todas as igrejas locais deve haver alguns modelos, alguns exemplos para que os outros sigam. ( Estudo-Vida de Tessalonicenses, p. 123)

A finalidade clara do falar do irmão Lee concernente a sua relação com Watchman Nee na obra foi apresentar o caminho para estar debaixo da benção do único fluir do Senhor e apelar para que os irmãos carregassem a responsabilidade na obra do Senhor hoje seguindo o seu padrão. Na mensagem "Nenhum Som Incerto da Trombeta no Ministério do Senhor" o irmão Lee testificou que foi a sua unidade absoluta com o irmão Nee que resultou em ele ser um com aquele a quem o Senhor havia dado a liderança na restauração do Senhor.

Pela misericórdia do Senhor, posso declarar que naqueles dezoito anos em que estive envolvido na obra na China continental eu fui sábio. Nunca levei ninguém a pensar que poderia optar por mim em detrimento do irmão Nee. Não houve tal coisa. Tudo que os santos viram em mim, meu comportamento, maneira de viver, ações, maneira de trabalhar, mensagens e palavra, todos consideravam totalmente um com o irmão Watchman Nee. Não deixei quaisquer brechas para se pensar que eu era diferente do irmão Nee. Creio que foi a sabedoria do Senhor por meio de Sua misericórdia dada a mim. Nossa história desde aquela época fala muito. Entre tantos cooperadores do irmão Nee, onde está a restauração? Não tive qualquer idéia de ser aquele que leva a cabo a restauração do Senhor. Mesmo quando fui a Taiwan, eu definitivamente fui enviado. Foi a proposta do irmão Nee aos cooperadores. Nunca tive a idéia ou sentimento de que estava indo para ser o líder. Mesmo quando cheguei aos Estados Unidos, não tinha a idéia de ser o líder da restauração do Senhor no mundo ocidental. Mas onde está a restauração hoje e sob que liderança? Alguns dos assim chamados cooperadores reivindicam que eram tão próximos de Watchman Nee, mas quase nenhuma igreja foi levantada por qualquer um deles.

É totalmente insensato permanecer na restauração acatando este ministério por um lado e, ainda assim, por outro, dizer algo mais. Isso não é sábio. Não é proveitoso para vocês nem para o seu futuro. Vocês podem dizer que têm um ministério, mas fazer isso não é proveitoso para o seu ministério, se de fato tiverem um. Vocês nunca poderão tirar proveito dele no futuro dessa forma. Antes, estarão comprometendo o seu futuro por pouca coisa. A maneira sábia é permanecer, sem qualquer opinião, com a restauração que é única. ( Treinamento de Presbíteros, Volume 7: Unanimidade para o Mover do Senhor, pp. 99-100)

Em 1993 ele foi mais adiante ao dizer que foi a sua unidade com o irmão Nee no princípio do Corpo que o tinha preservado na restauração por cerca de sete décadas.

No mínimo eu posso testificar por mim mesmo e pelo meu irmão mais velho, o irmão Watchman Nee. Sempre nos conduzimos e agimos na restauração do Senhor como um só Corpo. Essa é a razão pela qual a restauração do Senhor existe na terra por aproximadamente setenta anos. Não temos uma organização para manter coisa alguma, mas a restauração continua aqui. A restauração continua existindo e tem guardado o princípio do Corpo. Enquanto ministrava a palavra, eu sempre considerava o irmão Nee. Eu considerava o que ele falava; eu não gostava de falar alguma coisa que entrava em contradição com o ministério dele. Se eu tivesse falado alguma coisa de maneira contraditória, onde estaria a restauração hoje? Precisamos conhecer o Corpo. ( The Issue of the Dispensing of the Processed Trinity and the Transmitting of the Transcending Christ, p. 91)

Caracterizar isto como uma mera "prática informal, voluntária e pessoal" é um grave prejuízo para os nossos irmãos mais velhos, Watchman Nee e Witness Lee, cujo ministério é reconhecido como a base do ensinamento e da direção na restauração hoje. Até mesmo o autor de "Analysis & Response", em sua recente correspondência com os cooperadores, afirmou: "Entre nós é normalmente aceito que nós na restauração do Senhor tomamos tanto o ensinamento bíblico como as práticas dos irmãos Watchman Nee e Witness Lee como nossa base." 2 [ênfase adicionada] Como ele pode então justificar a rejeição do padrão dos nossos irmãos em estar restringido a uma única publicação, quando está claro na comunhão do irmão Lee que ele sentia que era um fator crucial para preservar a unidade da restauração do Senhor como base para a benção do Senhor sobre a restauração?

O irmão Lee, com um considerável risco de ser criticado, colocou a si mesmo como um exemplo a ser seguido. Quem pode negar que a restauração do Senhor colheu muitas bênçãos por meio da sua voluntariedade em deixar de lado o seu ministério pessoal para ser um com o ministério de Watchman Nee? Em sua própria percepção, isso se tornou um fator chave em sua utilidade posterior nas mãos do Senhor para propagar Sua restauração e abrir as verdades profundas concernentes à economia de Deus. Por que não seguiríamos hoje tal padrão?

4. Não uma "Política Pública, uma Ordenança, Sobre os Santos e as Sobre Igrejas Locais"

"Analysis & Response" usa algumas palavras pesadas para caracterizar A Obra de Publicação na Restauração do Senhor—"insistir", "ordenou" e "política". Nenhuma dessas palavras é usada em A Obra de Publicação na Restauração do Senhor, nem o tom delas é conveniente. A Obra de Publicação na Restauração do Senhor não é, de maneira nenhuma, uma "política pública". É a comunhão dos cooperadores entremesclados para as igrejas com respeito ao desejo deles de continuar uma prática existente há muito tempo na restauração do Senhor quanto a ser restringido em uma só obra de publicação. Chamar tal comunhão de "política publica" implica que deve haver algum tipo de esforço mecânico, mas a comunhão dos cooperadores não deixa indícios para tal rotulação. Semelhantemente, alguma coisa que é "ordenada" é requerida como uma condição para continuar participando juntos, mas A Obra de Publicação na Restauração do Senhor inequivocamente declara que se uma igreja local ou crentes individuais aderem ou não a prática de ter apenas uma obra de publicação, isso não afeta sua posição ou mesmo ser recebido na comunhão do Corpo.

Contudo, a única publicação não deve tornar-se a base de aceitarmos ou rejeitarmos qualquer pessoa na comunhão da fé ou na comunhão das igrejas; não se deveria insistir nisso como se fosse um item da fé. Se alguém não estiver inclinado a ser restringido a uma única publicação, tais pessoas ainda são nossos irmãos; ainda estão nas igrejas locais genuínas. ( A Obra de Publicação na Restauração do Senhor, p. 9)

Em 1986 no treinamento de presbíteros, o irmão Lee declarou muitas vezes que não mais toleraria aqueles que afirmavam aceitar seu ministério mas usavam e aplicavam seu ministério de forma seletiva.

Uma mulher poderia dizer ao marido: "Eu o amo e o tomo como meu marido, mas tenho de levar ao Senhor tudo que você disser para ver se de fato essa é a orientação Dele para mim. Preciso orar para descobrir se devo aceitar o que você diz integral ou parcialmente, e se isso aplica à minha situação." Se a esposa tiver tal atitude, como o marido se sentiria? Tal atitude é uma dissensão sutil, e o marido não seria capaz de tolerá-la para sempre. Tenho tolerado essa atitude da parte de alguns nos últimos quinze anos, mas minha tolerância acabou. ( Treinamento de Presbíteros, Volume 7: Unanimidade para o Mover do Senhor, p. 64)

Quero que os irmãos que estão envolvidos no problema relacionado com outra linha, com outra prática, saibam que alguns santos foram perturbados e atribulados e estão muito preocupados, pois há quem esteja indeciso sobre que linha adotar. Precisamos tomar uma decisão quanto a que solução se deve transmitir a todas as igrejas. Que os santos sejam fortalecidos. Que eles se alegrem. Que sejam consolados. Não posso tolerar a doença que se espalha para enfraquecer o Corpo. Precisamos ter uma solução para esse problema. ( Treinamento de Presbíteros, Volume 7: Unanimidade para o Mover do Senhor, pp. 69-70)

Dizer que não gostamos de rejeitar o ministério, mas que temos de orar para ver como o Senhor nos orienta soa muito espiritual, mas é a melhor capa para cobrir uma dissensão sutil. Contudo, com a incumbência de Paulo a Colossos e Laodicéia, não houve condições ou termos. Tudo que Paulo escreveu não era só para determinada igreja ou para duas igrejas, mas para todas. Não conseguimos tolerar mais qualquer coisa contrária a esse princípio. ( Treinamento de Presbíteros, Volume 7: Unanimidade para o Mover do Senhor, p. 71)

Neste ponto, entretanto, não sinto que eu ainda deva tolerar determinadas situações porque um dano suficiente já foi causado. Não quero ver mais danos causados à restauração do Senhor. Já não tenho tempo, queridos santos, para brincar com as pessoas. Vamos lutar a batalha. ( Treinamento de Presbíteros, Volume 7: Unanimidade para o Mover do Senhor, p. 96)

Naquele falar ele fez clara distinção entre as igrejas e o ministério e indicou que a extensão da sua comunhão não se aplicava aos santos nas igrejas de maneira geral, mas estava relacionada àqueles que afirmavam participar no ministério com ele, mas ensinavam diferentemente.

... Alguns dos santos são o que são, na restauração do Senhor, cem por cento por causa do meu ministério, e não quero que meu ministério desperdice o tempo deles. Tenho de fazer alguma coisa para assegurar o investimento de todo o ser deles na restauração do Senhor. Eles renunciaram a um futuro no mundo, mas podem não ter tido muito encorajamento na restauração do Senhor. Tenho de ser fiel ao Senhor, fiel a tantos de vocês que foram muito afetados pelo meu ministério, e fiel a mim mesmo. Por esse motivo, esse ministério não pode permitir que ninguém finja estar nele e ainda assim dizer algo diferente. Isso não quer dizer que estou pedindo que vocês se afastem da igreja em sua cidade ou que ela não seja mais a igreja ali. Estou tendo comunhão sobre o impacto do ministério para a luta pelos interesses do Senhor em Sua restauração.

... Não estou falando sobre igrejas. Estou falando sobre o ministério. O ministério é uma coisa e as igrejas são outras. Essas duas coisas podem ser diferenciadas nas epístolas escritas por Paulo. O ministério de Paulo é uma categoria e as igrejas são outra. Ele nunca as forçou a segui-lo em seu ministério, mas com certeza tinha um ministério para elas. ( Treinamento de Presbíteros, Volume 7: Unanimidade para o Mover do Senhor, pp. 95-96) [ênfase adicionada]

A mesma distinção é feita fortemente no final da comunhão dos cooperadores em A Obra de Publicação na Restauração do Senhor (veja a citação no início desta seção), e a palavra do irmão Lee sobre a extensão da sua comunhão está também incluída como uma palavra final na publicação dos cooperadores. O autor de "Analysis & Response" é um irmão instruído que sabe o poder das palavras. Sua distorção do conteúdo, extensão e método de A Obra de Publicação na Restauração do Senhor só pode ser entendida como deliberada. Tal prática desonesta é em si e por si mesmo um fundamento suficiente para classificar "Analysis & Response" como inadequado para aqueles que apreciam a verdade.

Notas:
1 De The Collected Works of Watchman Nee:
Watchman Nee: The Present Testimony (1), vol. 8, p. 88.
  Conferences, Messages, and Fellowship (1), vol. 41, p. 204.
  The Resumption of Watchman Nee's Ministry, vol. 57, pp. 142, 273, 284.
Ruth Lee: The Present Testimony (1), vol. 8, p. 81.
  Collection of Newsletters (2) & Watchman Nee's Testimony, vol. 26, pp. 297, 298.
  The Open Door (2), vol. 32, p. 474.
Witness Lee: The Open Door (2), vol. 32, p. 481.
Chen Hsi-Wen: The Open Door (1), vol. 31, p. 77.

2E-mail do autor de "Analysis & Response" para Kerry Robichaux e os cooperadores da lista de correio em 13 de junho de 2005.

© 2006-2018 DCP. Todos os direitos reservados.
O DCP é um projeto que visa defender e confirmar o ministério neotestamentário de Watchman Nee e Witness Lee, e a prática das igrejas locais.
email